Publicado por Redação em Mercado

Conheça as empresas dos EUA que mais valorizam a diversidade



Nos últimos dois anos, o foco nas disparidades raciais colocou em destaque vários segmentos empresariais acerca da diversidade nos Estados Unidos. O impacto da Covid-19 na vida e nos meios de subsistência das famílias negras tem levantado questões sobre a equidade em saúde. As consequências econômicas para os trabalhadores negros e para suas propriedades mais uma vez ilustrou a necessidade de inclusão financeira e acesso ao capital. 

Enquanto isso, o aprendizado remoto chamou a atenção para as diferenças nos recursos e nos resultados acadêmicos para estudantes em comunidades carentes. Portanto, talvez não seja surpresa que esses setores tenham sido retardatários em abraçar a importância da diversidade racial no atendimento aos menos favorecidos. No entanto, o devastador impacto do coronavírus, combinado com a maior atenção às desigualdades raciais após o assassinato de George Floyd em maio de 2020, parece ter resultado em algum impacto.

Embora estejam longe de estar fazendo o suficiente, esses setores obtiveram os maiores ganhos ao abordar um dos principais fatores no avanço da representatividade e estão na lista da Forbes de 2022 dos melhores empregadores para a diversidade nos Estados Unidos.

A lista deste ano apresenta uma proporção maior de empresas do setor bancário e de serviços financeiros, saúde, setor social e educação. Cada um deles aumentou sua presença na lista que contempla 500 empresas, cada uma compondo 8% da lista contra 6% do último ano. “A Covid-19 pegou o mundo desprevenido e revelou a magnitude das desigualdades que existem em comunidades de negros e latinos”, disse John Patton, chefe de diversidade e inclusão dos EUA no TD Bank, à Forbes em um e-mail.

“Para permanecer no caminho certo e continuar diversificando talentos em todas as organizações, aumentamos nosso foco em diversidade e inclusão e relatamos nosso progresso anualmente como parte de nosso pacote de relatórios ambientais, sociais e de governança.” Esse compromisso ajudou o TD Bank a figurar na nona posição em nossa lista anual dos melhores empregadores para a diversidade.

A Forbes fez uma parceria com a empresa de pesquisa de mercado Statista para falar com 60 mil americanos que estão trabalhando para empresas com pelo menos 1.000 funcionários e identificar quais são mais preocupadas com a equidade. Os entrevistados avaliaram critérios como idade, igualdade de gênero, etnia, deficiência e orientação sexual dentro das empresas

Mais de 10.000 empresas foram analisadas e cerca de 2.000 receberam uma pontuação boa.

A Statista descobriu que algumas das empresas com melhor desempenho na lista têm ações tangíveis, planos e iniciativas que visam dar apoio aos funcionários. Isso inclui programas de liderança para grupos sub-representados e mulheres. De acordo com a Statista, 16% das empresas avaliadas tinham CEOs mulheres e 31% tinham liderança executiva e cargos no conselho preenchidos por mulheres. 

Mais de 55% tinham uma posição de liderança executiva com a tarefa de promover a diversidade e a inclusão. Apesar do progresso que as empresas relataram no aumento da diversidade, ainda há muito o que ser feito. Um caso em questão é a ChristianaCare em Newark, Delaware, que estabeleceu uma meta em julho de 2020 para aumentar o número de pessoas negras e latinas em cargos de liderança em 15% em três anos.

Classificada em 40º lugar na lista, a empresa está no caminho certo, crescendo da posição 46 para 41 desde julho de 2020, um aumento de 12%. No entanto, a porcentagem de funcionários não brancos classificados acima do nível de diretor ficou menor, de 15,9% na época para 14,7% hoje. Em outras palavras, a taxa de crescimento para gerentes não brancos foi mais lenta do que a pesquisa indica.

“Vi esse aumento de 12% e fiquei animado. E então eu vi que a porcentagem geral caiu e parei de ficar empolgada”, diz Pamela Ridgeway, chefe de diversidade, diretora e vice-presidente de talentos da ChristianaCare. Ela diz que é encorajada a continuar, no entanto, e essa experiência a ensinou a comemorar vitórias e a estabelecer novos alvos. O setor de saúde está sob pressão para melhorar os resultados relacionados ao DEI, devido a gritantes disparidades raciais nos resultados de saúde, como taxas de mortalidade mais altas para negros e mulheres em cuidados maternos. 

O mandato de muitos líderes de saúde do DEI incluiu diminuir as disparidades raciais dentro das populações de funcionários e pacientes e a crença é que um pode ajudar o outro.

“Não alcançamos nossas metas com pacientes negros e latinos”, diz José Rodríguez, vice-presidente associado de equidade em saúde, diversidade e inclusão na Universidade de Utah, referindo-se geralmente aos resultados no setor de saúde. “No entanto, há dados emergentes que mostram que quando você tem mais provedores negros, os resultados de saúde para seus pacientes negros sobem. E o mesmo vale para sua população latina. Então, estamos trabalhando para acabar com as disparidades.”

A empresa de tecnologia e seguros progressivos VMware ficou em primeiro e segundo lugar, respectivamente, na lista deste ano, subindo no ano passado do número 20 para o 11. Os esforços relacionados ao DEI incluem o workshop “Ouse discordar”, enquanto a VMware foi aclamada por seus esforços em torno da inclusão de pessoas com deficiência. 

A Adobe, que ficou em 6º lugar, tem vários esforços em andamento, incluindo parcerias com faculdades e universidades historicamente negras e instituições que atendem hispânicos, além da Iniciativa de Equidade e Avanço. Esta última iniciativa envolve a colaboração com 11 organizações sem fins lucrativos e é projetada para promover discussões em torno de questões de importância para diversas populações, como os direitos do eleitor. “Nós realmente queremos ter certeza de que criamos um ecossistema fora da Adobe que nos permite ver sob todas as perspectivas”, diz Brian Miller, diretor de talentos, diversidade e inclusão da Adobe. “Então, queríamos começar a criar organizações que nos permitissem chegar à frente dessa conversa e depois vinculá-la às nossas redes de funcionários”.

Metodologia

Para determinar a lista, a Statista entrevistou 60.000 americanos que trabalham para empresas com pelo menos menos 1.000 funcionários. Todas as pesquisas foram anônimas, permitindo que os participantes compartilhassem suas opiniões. Os entrevistados foram primeiro solicitados a classificar suas organizações em critérios como idade, gênero, etnia, deficiência e igualdade de orientação sexual, bem como a de diversidade geral. Essas respostas foram revisadas para possíveis lacunas de diversidade. 

Em seguida, a Statista pediu aos entrevistados pertencentes a grupos sub-representados que indicassem organizações além das suas. A lista final classifica os 500 empregadores que não só receberam a maioria das recomendações, mas também contam com os mais diversos conselhos e cargos executivos e as iniciativas mais proativas de diversidade e inclusão. O período da pesquisa decorreu de setembro a outubro de 2021.



Fonte: Forbes



Posts relacionados


Deixe seu Comentário:

=