Publicado por Redação em Carreira | 29/04/2020 às 13:32:12

Mulheres contam como é ser CEO em casa ao lado dos filhos

Café da manhã em família no meio da semana era raridade na rotina de Fiamma Zarife, CEO do Twitter no Brasil, antes da pandemia do novo coronavírus. Mãe de uma adolescente de 16 anos e de um menino de 9, ela se despedia dos filhos às 6h30, quando os dois saíam para a escola. Então, começava seu ritual matutino de checar e-mails e trend topics do Twitter e fazer meditação ou dar um pulo na academia do prédio antes de ir para a empresa, onde passava o dia entre calls e reuniões. A executiva voltava a encontrar a família só às 20h para jantar.

“Agora, tomar café da manhã juntos virou um ritual”, conta. Com a equipe em home office e os filhos 24 horas em casa, a dinâmica do dia da executiva mudou por completo, assim como a de tantas profissionais que tiveram que assumir a logística da casa e dos filhos da noite para o dia. “A primeira semana foi meio sem limites, com jornadas de trabalho longas e tumultuadas”, diz. “Cheguei a almoçar às 3h da manhã e só porque meu marido trouxe um prato, de tão envolvida que estava com a adaptação de tudo.”

A parceria com o marido, aliás, é o segredo para dar conta do recado. “Ele é o cara da cozinha, enquanto eu cuido da arrumação da casa”, diz. A família também delimitou espaços para que cada um se concentre no que precisa fazer. Ela trabalha na sala, a filha estuda no quarto e o filho na cozinha. A CEO faz check-ups diários com seu time direto e calls de alinhamento semanais com 15 áreas da empresa que criam suporte para vendas – enquanto isso, o escritório da empresa segue vazio.

Evelyn Veronese, vice-presidente de manufaturas da Whirlpool no Brasil, divide a rotina de trabalho com as atividades da casa e o planejamento semanal escolar do filho Rafael, de 9 anos. Foto: Daniel Teixeira/Estadão

Para substituir as reuniões presenciais com mais pessoas, que tendem a se tornar caóticas no ambiente digital, a solução foi se apoiar no Google Docs – método que ela pretende manter. “A gente compartilha os documentos para leitura silenciosa e cada um faz seus comentários e perguntas lá, sem aquele excesso de falação.”

A capacidade de adaptação e colaboração do time, para ela, são características que foram potencializadas pelo isolamento social. “Estamos vivendo uma situação limite e precisa ter muito amor e tolerância para aceitar as interrupções, aprender e também desaprender rápido.”

Adaptação também se tornou palavra de ordem para Viviane Mansi, presidente da Fundação Toyota do Brasil e mãe de Guilherme, de 10 anos. Com uma agenda profissional carregada de viagens, ela ficava pouco mais de uma semana por mês no Brasil antes da quarentena.

“Eu tinha uma estrutura toda armada, meus pais moram perto e sempre deram uma baita ajuda, meu marido levava e buscava na escola”, conta. De lá para cá, o rearranjo foi total. “As demandas de comunicação na empresa aumentaram absurdamente e é importante não deixar o estresse do trabalho contaminar em casa”, diz.

Flexibilização da rotina, paciência e disciplina agora andam de mãos dadas. “A Toyota ainda estava no início da implementação do home office, então é um grande aprendizado”, diz a executiva, que procura manter digitalmente o “olho no olho” praticado na empresa. No meio da reviravolta tecnológica, ela se diverte: “Agora somos praticamente geeks”.

Em casa, também vale a máxima de flexibilizar e colaborar. Na divisão de tarefas, o marido elegeu a limpeza e ela, a cozinha. “Eu não sabia nem onde ficavam as panelas”, ri. Hoje ela concilia a jornada de trabalho com as demandas da escola e dos menus diários sugeridos pelo filho. Ele escolhe um prato como desafio e dá até nota no final. A meta foi batida recentemente, quando a executiva preparou um macarrão e recebeu o prêmio máximo: “parecido com o da vovó”.

Momento de investir em projetos estratégicos

Apesar das viagens e reuniões presenciais, Letícia Tomazelli, diretora de operações da Sinclair Pharma e mãe de Lara, de 1 ano e 4 meses, procurava sempre levá-la para a escolinha com o marido e voltar para casa no fim do dia a tempo de dar banho, jantar junto e ler histórias na beira da cama. Com o isolamento, estabelecer uma nova rotina foi fundamental.

Por ter uma criança pequena, no entanto, a executiva bate forte na tecla da flexibilidade. O casal deixa faxina pesada e comidas que exigem mais tempo de preparo para os finais de semana e ela une família e trabalho quando necessário.

“Não tenho vergonha de fazer calls cozinhando, mudar os horários quando a Lara está precisando de mim ou deixar ela sentar no meu colo e participar das reuniões quando meu marido também está em reunião”, conta. “O momento é de empatia com os outros e com você mesma. É preciso aceitar que nada está igual e que tudo bem.”

Fiamma Zarife, CEO do Twitter no Brasil, é mãe de uma adolescente de 16 anos e de um menino de 9. Foto: Larissa Pedroso

No dia a dia da empresa, as mudanças e a baixa nas vendas também abriram espaço para um novo direcionamento. “Este é o momento ideal para investir naqueles projetos estratégicos que de vez em quando ficam esquecidos porque as questões operacionais se sobrepõem”, analisa a diretora.

Para Evelyn Veronese, vice-presidente de manufaturas da Whirlpool no Brasil, o home office foi uma quebra de paradigma. Mãe de Rafael, de 9 anos, no começo ela achou que não daria certo. “Com as ações emergenciais na empresa para entender como iríamos trabalhar, o isolamento social e o Rafa quase de férias em casa, a primeira semana foi difícil”, lembra.

Agora tudo entrou no lugar. Ela começa a trabalhar às 8h, blinda duas horas do dia para almoçar em família e depois reassume até as 20h30. A executiva também faz um planejamento semanal de EAD (ensino a distância) com o filho.

“A distribuição está interessante e ainda conseguimos ter momentos de brincadeira, jogos de tabuleiro, coisas que deixam o dia mais leve”, diz. Para ela, a nova dinâmica tem ajudado a passar por tudo com maior consciência. “A grande preocupação é como tomar as decisões corretas, trabalhar a educação sobre cuidados e preservação”, conta. “Não houve nenhuma contaminação nas fábricas e estamos fazendo um forte gerenciamento com os fornecedores para não ter rupturas.”

Da experiência da quarentena, a simplificação de processos e o espírito colaborativo entre as áreas da empresa são duas lições que vão ficar. No lado pessoal, um valor se renova. “Antes eu não estava atenta a quanto é importante acompanhar meu filho mais de perto."


Fonte: ESTADÃO


Tags: sem tags no momento!


Deixe seu Comentário:

=