Publicado por Redação em Gestão do RH

Trabalho híbrido, da utopia à realidade do pós-pandemia



A pandemia pode até estar retrocedendo, mas o modelo de trabalho híbrido – sistema no qual os funcionários podem trabalhar de qualquer local, mas também devem comparecer ao escritório em determinados dias da semana – está ganhando cada vez mais adeptos. E, tudo leva a crer que em 2022, o trabalho híbrido se consolidará ainda mais. Isso porque o modelo, que vinha sendo implementado timidamente, foi acelerado de maneira forçada com as medidas de distanciamento social. E, analisando um possível cenário pós-pandemia, 90% das organizações em todo o mundo combinarão trabalho remoto e presencial após a Covid-19, segundo dados da consultoria empresarial americana McKinsey.

O modelo é entendido como uma solução que traz as vantagens de ambos os ambientes (casa e escritório), tanto para funcionários, quanto para empregadores. De acordo com a pesquisa da Randstad, empresa especializada em soluções de trabalho flexível e recursos humanos, 92% dos trabalhadores brasileiros preferem formatos de trabalho e carreiras mais flexíveis para acomodar outras atividades ao longo do dia. Em outras palavras, isso demonstra que o trabalho híbrido é uma solução que traz as vantagens de ambos os ambientes, tanto para funcionários quanto para empregadores. E isso se deve porque, em casa, os trabalhadores conseguem realizar múltiplas tarefas, combinando atividades profissionais e pessoais, sem perder a produtividade.

As vantagens do modelo mais flexível são muitas, com melhoras no bem-estar, agilidade, produtividade das equipes, além de proporcionar mais saúde mental e física aos colaboradores. E, diferentemente do que muitos gestores imaginavam, a produtividade não diminuiu. Ao contrário, 58% dos brasileiros se sentem mais produtivos trabalhando em casa, segundo pesquisa da Fundação Dom Cabral, em parceria com a Grant Thornton Brasil. Ou seja, com a descoberta dos benefícios do trabalho híbrido, é improvável que as coisas voltem a ser como eram antes da pandemia, pois o modelo contribui para melhorar o bem-estar, a retenção e o recrutamento, aumentando a produtividade e revitalizando a força de trabalho, sem falar na redução de custos.

Quando se trata de formas e locais de trabalho, sempre haverá três modelos principais: locais de trabalho centralizados, organizações remotas descentralizadas e a abordagem híbrida, com a combinação dos dois mundos. O que provavelmente mudará em 2022 é que o funcionário escolherá o modelo que mais se encaixa às suas necessidades. E, da mesma forma que os trabalhadores têm repensado os modelos de trabalho, as empresas têm repensado a manutenção de estruturas para acomodar seus colaboradores: outro ponto  interessante do trabalho híbrido é que as organizações podem, agora, dispor de centralizados, não importando o tamanho dos mesmos, ou, se preferir, eliminá-los em sua totalidade, optando por espaços de coworking e salas de reuniões com serviços para apoiar as necessidades de uma força de trabalho remota.

Uma coisa é certa: o futuro do trabalho no Brasil passa por um formato híbrido. Com o fim do isolamento social, a gradativa volta à normalidade e a revisão dos objetivos profissionais pelos trabalhadores, muitas empresas estão oferecendo opções ao colaborador. Deixá-lo optar pelo modelo que lhe convém mais flexibilidade, democracia e agilidade. Entretanto, é necessário não só dispor de ferramentas que assegurem segurança e agilidade a esse modelo de trabalho, mas também manter no radar que a cultura deve ser constantemente trabalhada para ajudar todos a navegarem nessa mudança, garantindo o bem-estar e equilíbrio entre vida pessoal e profissional.



Fonte: Mundo RH
Priscila Araújo, Gerente Geral de Recursos Humanos da NEO


Posts relacionados


Deixe seu Comentário:

=