Publicado por Redação em Notícias Gerais | 30/12/2015 às 10:44:20

Salário mínimo com reajuste vai injetar R$ 57 bilhões na economia nacional, diz Dieese

Brasil tem 48 milhões de trabalhadores com rendimento referenciado ao salário mínimo

Aumento do salárimo mínimo traz impactos positivos à economia

O aumento do salário mínimo de R$ 788 para R$ 880 deve injetar R$ 57 bilhões em renda na economia no ano que vem. São 48,3 milhões de brasileiros com rendimento referenciado ao salário mínimo, segundo estudo do Dieese divulgado nesta terça-feira (26).

Desse total de 48,3 milhões de brasileiros, 22,5 milhões são aposentados e pensionistas; 13,5 milhões são empregados com carteira assinada; 8,2 milhões são trabalhadores por conta própria e 3,99 milhões são empregados domésticos.

O salário de R$ 880 acumula ganho real (descontada a inflação) de 77,35% desde 2002, quando o piso foi estabelecido em R$ 200. Nesse mesmo período, a inflação medida pelo INPC é de 148,09%. O cálculo considera INPC estimado em 0,80% em dezembro de 2015.

Com o novo valor do mínimo, o incremento na arrecadação tributária sobre o consumo é estimado pelo Dieese em R$ 30,7 bilhões por ano.

Previdência

Nas contas da Previdência Social, o aumento de R$ 92 no salário deve ter custo adicional ao ano de cerca de R$ 26,960 bilhões, de acordo com o estudo. "A cada R$ 1 de acréscimo no salário mínimo há o impacto de R$ 293 milhões ao ano sobre a folha de benefícios da Previdência Social", diz José Silvestre Prado de Oliveira, coordenador de relações sindicais do Dieese.

O estudo do Dieese leva em conta que o peso relativo da massa de benefícios equivalentes a um salário é de 49% e corresponde a 69,2% do total de beneficiários. "O impacto do custo na Previdência é muito inferior ao gasto anual para pagar os juros da dívida pública que o governo tem, ao redor de R$ 400 bilhões", afirma o coordenador.

Poder de compra

Se comparado ao valor da cesta básica calculada pelo Dieese, estimada em R$ 412,15 em janeiro de 2016, o novo salário mínimo equivale a 2,14 cestas. Em novembro de 2015, o valor da cesta foi de R$ 404.

"É a maior quantidade de cestas básicas já registrada desde 1979, início da série histórica que compara o valor do salário mínimo anual com o valor anual da cesta", afirma Oliveira.

Fonte: Folha de Pernambuco


Tags: sem tags no momento!


Deixe seu Comentário:

=